Bem-vindos abençoados leitores!

Nosso objetivo é estudar e divulgar artigos para reflexão de todos aqueles que tem no sentido de tua existência: fazer o bem e seguir aquele que é a essência do verdadeiro amor e santidade: Jesus Cristo! Abraços em Cristo!








asjhasjhajs
asjhasjhajs
asjhasjhajs
asjhasjhajs

Renato Silveira, lança 2ª edição do livro sobre Maria! Saiba mais, clicando na imagem.

Renato Silveira, lança 2ª edição do livro sobre Maria!  Saiba mais, clicando na imagem.
Livro: Quem é Maria para nós?

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Se creres verás a glória de Deus (pt1)

Se creres verás a glória de Deus!
(Parte 1)
“Lázaro caiu doente em Betânia, onde estavam Maria e sua irmã Marta. Maria era quem ungira o Senhor com óleo e lhe enxugara os pés com os seus cabelos. E Lázaro, que estava enfermo era seu irmão. Suas irmãs mandaram, pois, dizer a Jesus: Senhor, aquele que tu amas está enfermo”. João 11, 1-3.
O Senhor nos ama! Não podemos perder isso de vista. Independente de nossa realidade e condições de vida, seja em estado de pecado ou de santidade, ele nos ama. Mesmo quando ao nosso redor tudo pareça o oposto, mesmo quando os nossos sentimentos queiram nos convencer do contrário, precisamos ter a coragem de assumir e declarar em todos os momentos esta grande verdade. Precisamos estar intelectualmente convictos do amor de Deus por nós para assim, não sermos traídos por nossos impulsos emocionais.
Esta convicção é patente em Maria e Marta de Betânia. Só mesmo pessoas convictas do amor de Jesus poderiam mandar um recado destes. Aliás, foi esta convicção que as levou a enviar alguém até Jesus para avisar que Lázaro, a quem ele amava, estava enfermo. Não fosse assim, com certeza, o recado mandado teria sido mais dramático, tipo: “Corre para cá, Jesus! Porque Lázaro está muito doente! Vem logo senão vai ser tarde demais!”
Coloque-se no lugar de uma das duas agora. Imagine-se passando por uma situação semelhante. Imagine seu filho, pai, mãe ou irmão, ou outra pessoa muito amada por você em uma situação dessas. Imagine-se em qualquer outra situação muito difícil como a perda do emprego em um momento delicado, como seria sua oração? Seria um DDD para Jesus? Uma oração Desesperada, Dramática e Demagoga? Seria mais ou menos assim (?):
“Senhor! E agora, o que eu faço? Perdi meu emprego, não posso ficar desempregado. Estou perdido! Por favor, me ajude, abre as portas, não demore... por favor! O que eu vou fazer agora? Preciso pagar minhas contas, prestação do carro, aluguel, vai faltar comida em casa. Tem misericórdia, Jesus! Olha para o meu desespero. Mas, eu te louvo, amém.”
Esta é a oração DDD. Uma oração puramente sentimental.
Desesperada porque tenta convencer Jesus das conseqüências que determinado problema irá gerar, uma oração que na verdade, denota falta de fé.
Dramática porque apela para o sentimentalismo, como se isso fosse aumentar a compaixão de Cristo e, para isso, envolve todas as pessoas e situações necessárias, na intenção de tentar convencer o Senhor de que seu problema é realmente grande.
E Demagoga porque louva, mas este louvor não é sincero, é só da boca para fora. É uma forma de dissimular pensando estar agradando a Deus com falsa humildade.
Não que não devamos apresentar a Deus os nossos problemas, não que não devamos apresentar as nossas preocupações, dores e sentimentos. Não que não devamos louvar nos momentos difíceis. Não! Não é isso que estou dizendo. O que estou tentando dar a entender é que se nossas súplicas, petições e louvores forem movidos pelo fator emocional, corremos um risco muito sério de não sermos autenticos. Se não temos retidão de coração, esta nossa oração será apenas um desabafo, que exige, mas não crê que haja uma solução. E ainda, se nos deixarmos guiar pelos sentimentos, acabamos sendo levados a agir de maneira emocional e impulsiva, ou seja, acabamos fazendo tudo errado.
Ao ouvir dizer que aquele a quem amava estava enfermo, Jesus automaticamente sabia de todos os fatores que isto implicava. Marta e Maria, conhecendo Jesus, sabiam que ele entenderia perfeitamente o recado. Apesar de grave, elas sabiam que o Senhor poderia curar seu irmão. Talvez elas não contassem com os desígnios de Jesus, talvez elas esperassem uma resposta mais imediata da parte dele. Até porque, ele poderia ter feito como fez com o servo do centurião, bastava ele declarar a cura de Lázaro e pronto!
“Mas, embora tivesse ouvido que ele estava enfermo, demorou-se ainda dois dias no mesmo lugar” João 11, 6.
Quantas vezes nós questionamos Deus pela demora? Quantas vezes perguntamos a ele se não está vendo o nosso sofrimento? Claro que ele está vendo. Quantas vezes você já apresentou-lhe o seu problema? Até mesmo outras pessoas podem ter feito isso por você. Ele sabe, ele tudo vê, ele tudo pode! A questão, na verdade é: para que a demora?
Meditar sobre esta pergunta, nos levará a entender coisas muito importantes mais adiante.
Depois disse aos discípulos: "Voltemos para a Judéia. Mestre, responderam eles, há pouco os judeus te queriam apedrejar, e voltas para lá?” João 11, 7b-8.
O Senhor é capaz de se dispor a correr todos os riscos necessários por nós. Ele está sempre apostando em nós.
Foi assim para ir ao encontro do moribundo Lázaro, foi assim ao aceitar Judas Iscariotes entre os seus primeiros discípulos e é assim também hoje. Seja qual for o risco, Deus é capaz de correr por amor a você. Ele é capaz de trocar reinos por ti, conforme está escrito em Isaías 43,4.
Mas, de repente, quando parece que nem mesmo o Criador se importa conosco:
“Então Jesus lhes declarou abertamente: Lázaro morreu. Alegro-me por vossa causa, por não ter estado lá, para que creiais.” João 11, 14-15.
Quem disse que Deus não se preocupa conosco? Este Pai jamais negligencia a causa de seus filhos. Ele está sempre atento, seus olhos e seus ouvidos estão voltados para nós. Estão atentos aos nossos clamores (Salmo 33,16).
O que acontece é que nosso olhar esta sempre voltado para o problema e, o Senhor, sempre olha à partir da solução. Nós precisamos olhar para as circunstancias de nossa realidade à partir da busca pela vontade de Deus. Precisamos pedir insistentemente que o Senhor derrame em nós o seu Santo Espírito e nos dê a graça da visão das coisas segundo o olhar de Jesus.
Jesus se preocupou com a doença de Lázaro sim! Ele se preocupa com o seu problema sim! Porém, Jesus, nunca olha para as situações de uma maneira local, ele sempre olha de maneira global. O nosso egoísmo nos leva a querer uma resolução imediata da parte de Deus. Pensamos sempre em nós, nos nossos amados e nunca pensamos que, à partir da nossa dificuldade, Deus pode realizar a salvação na vida de pessoas que nós nem imaginamos.
Autor: Lucio Marciano
lucio_marciano@hotmail.com

1 comentários:

Carol disse...

Amém!! q texto lindo! realmente devemos esperar no Senhor, Ele tudo sabe e tudo vê... as coisas não acontecem no nosso tempo e sim no tempo dEle! é dificil esperar, mas tenho certeza q vai valer a pena.. seguindo Seu caminho, e lançando fora as coisas q nós afasta dEle! :)

 
Cotidiano Espiritual. Design by Wpthemedesigner. Converted To Blogger Template By Anshul Tested by Blogger Templates.